22 dezembro 2006

Talvez Amanhã...

Abandonei-te um dia... sim é vdd!
Não sei se mais alguma vez terei coragem para te abraçar e dar a minha vida como dava...
Ou se simplesmente vou deixar passar... e esquecer!...
Talvez amanhã... mas aí, já pode ser tarde de mais...


08 outubro 2006

Lithium...

Infelizmente esta é uma música que me comove muito... Principalmente devido à sua letra cujo sentido encaixa(demais) perfeitamente na minha vida...

Lithium... dos Evanescence:

Lithium - don't want to lock me up inside
Lithium - don't want to forget how it feels without
Lithium - I want to stay in love with my sorrow
Oh... but God
I want to let it go

Come to bed, don't make me sleep alone
couldn't hide the emptiness you let it show
never wanted it to be so cold
just didn't drink enough to say you love me

I can't hold on to me
wonder what's wrong with me

Lithium - don't want to lock me up inside
Lithium - don't want to forget how it feels without Lithium - I want to stay in love with my sorrow
Don't... want to let it...

... lay me down this time
drown my will to fly
here in the darkness I know myself
can't break free until I let it go
let me go...

Darling, I forgive you after all
anything is better than to be alone
and in the end I guess I had to fall
always find my place among the ashes

I can't hold on to me
wonder what's wrong with me

Lithium - don't want to lock me up inside
Lithium - don't want to forget how it feels without
Lithium - I want to stay in love with my sorrow
Oh... but God...
I want to let it go

12 setembro 2006

Voltei...


As férias acabaram...
Mas sinto que não foram só elas...
Apesar de as ter amado... perdi-as

Bem... isto para dizer que estou de volta
Para dizer que trago uma nova vida
Mas que também perdi outra...




Nuca deixarei de te amar!!!
Desculpa só hoje o conseguir dizer assim...

30 agosto 2006

...

maybe tomorrow
but then
it's just another day

04 agosto 2006

oh

oh, who told you so?
what we could or not lie about
how to re-adress our meaningless opinions
and the dictionnary of a non-language?
oh, Mr. Trampolin and Mrs. Wall-Fire
who told you you could sit there,
when after all you are a sitcom?
who told you night for day, and winter for summer?
shouldn't it be better if you were still drinking those delicious pinneaplles
in a dirty shore near infectuous, good for nothing, ugly people?
but you preffer to sit here with us, gentlemen
and drink of our drink called lonelliness
but you rather drink it alone...

03 agosto 2006

estes silencios

ja nao suporto os teus silencios
como suportei outrora
ja nao os acho interessantes
como sempre quiseste que os achasse
ja nao acho que digam tanto como as tuas palavras
que descubro pelo teu silencio serem mentiras brancas

ja nao encaro os teus silencios
como simples falta de jeito teu
nao, a falta de jeito é outra
ja nao me tomo como ingenuo no teu jogo
sei bem como queres o teu "xeque-mate"
(desta vez eu observo tudo)

ego parvvs sum
amore non parvvs est

02 agosto 2006

unsere Ruhe ist unsere Waffe

für dich bin ich ein Supernova
eine Explosion der Wärme für nur deine Augen
Ich bin das Wort und die Endlosschraube, damit du liebst und haßt
Ruhe ist kostbar, aber Ihre ist nicht an allen kostbar

usualmente (que se foda este titulo...a merda que escrevo tem que ser indentificavel)

ah, coisas que passam na nossa vida
como se as observassemos da montra do cafe.
passam de carruagem e a pé
mas o nosso cafe cheira tao bem
e o chapeu da pessoa que o toma conosco é tao bonito...

mas la estao as coisas a passar
a favor e contra o vento
e que belo é o relogio do senhor presidente
que esta ali a ter um tête-a-tête com a formosa dona da loja de doces - adoro o seu casaco...

as coisas ja batem na montra do cafe
para que olhemos para elas
mas parece-me tao interessante o talhamento do balcao,
que acho que as vou ter de ignorar por um bom bocado

pronto, vou admirar as coisas agora!
hey! onde estao elas?
enfim, assim sempre posso continuar a admirar os sapatos do banqueiro...

01 agosto 2006

recuso-me a dar um titulo a isto

e agora: um bosque indecente;

uma clareira intoxicada de nudismo e deserção
onde adormeço todos os dias
ansiando o dia seguinte
o dia em que nao vou fazer rigorosamente nada

talvez ainda escreva um nome numa arvore
mas...ja nao ha nomes para escrever
duvido que ate existam nomes

talvez me dê para inventar um nome,
mas vou da-lo a quem?
ja ninguem para nestas bandas

agora todos querem fazer alguma coisa
algo totalmente diferente
algo como nao fazer nada...
mas fazem-no em grupo
e deixam as clareiras para gente como eu
mas sera que ha mais gente como eu noutras clareiras?
sera que existem outras clareiras?

espera! ouvi uma voz!
grave? aguda?
tonto que sou...ainda sei falar...

31 julho 2006

un bois...inexistent

mes copins et mes copinnes
inventent des mots pour moi
que j'adore
que j'aime
parce que je suis semsible

merde...je suis impossible
j'oublie ta vie dans la station

merde...

30 julho 2006

1...2...3

nao gosto de escrever
alias, detesto

escrevo apenas porque tu lês
porque tu gostas
mesmo quando o negas
em leves acenos de cabeça e contorcionismo lapial

tu amas o que escrevo
quase tanto como se eu nao escrevesse sequer
apenas lês...para gostar
porque sou eu quem escreve
e nao outro desconhecido
porque me amas...embora eu seja um desconhecido
porque me amas...
porque me lês...
porque simplesmente lês...

ali (II)

ali
ali minto
por alimento

ali mato por ser outra vez um numero um de coisa nenhuma
esperando que nao me vejam para la destas muralhas de agua
para la do firmamento que nenhuma lua quis iluminar
entao ilumino-o eu,
de isqueiro num punho
e esperança no outro

espero que um dia me agradeçam por te-lo feito
e dai talvez nao
porque ja nao acredito em nada
apenas no nada
apenas no tudo

apenas espero que um dia o façam por mim
porque o meu braço é humano
ao contrario de tudo o resto que se move
e permanece inerte
numa virtuosa cambalhota de dedos e luz
para que nao seja visto
ali
para alem da muralha de agua

ali

o pecado original
ja nem é pecado
e muito menos original

29 julho 2006

titulos p'ra quê?

titulos p'ra quê se todos sabem que nao passo da outra metade
metade má cirurgia, metade má maquilhagem!
p'ra quê se sabem que sou a outra metade
a metade que interessa, e a metade que não interessa p'ra nada
e no fundo sou o que todos quereriam ser, ou p'lo menos metade de mim!

apenas metade
metade leão, metade cavalo
metade morta, metade a morrer
torta, mastigada e cuspida
metade degustada, metade intragavel

metade tripa, metade coração
semi-belo, meio feio
metade teu, todo meu (ou sera que é mesmo nada)
nada de nada sei que não sou, sou p'lo menos metade disso
e titulos p'ra quê se sei que sou só um?

Plastic Casket

Obrigado pelo convite Sandrita. Aqui fica a minha contribuição.

So you feel the sundown
on your pale light skin
tainted to bound down
to the heat of the night

Raise, your unknown feelings and cross
these system trails
open, your mouth and swallow the drink
mixed by the devil's hands

Black lips smile shy
at the evening's kiss
a vinyl overdose
that you cannot resist

Shake, in sounds of synthetic fear
and blinded souls
hate, the liers and thiefs of death
they are all but scared pets

Heart of drugs and dreams
she hides inside
and in the end of the dark
a casket rise

By: DarkCapricorn